Porque é importante cuidar da sua saúde oral recorrendo a uma Medicina Dentária multidisciplinar.
implantologia.png

 

IMPLANTOLOGIA

É a área da Medicina Dentária responsável pela substituição dos dentes através da colocação cirúrgica de implantes dentários. Estes têm a mesma função que a raiz de um dente para suportar dentes artificiais, oferecendo uma excelente função mastigatória e estética.

O paciente é submetido a uma cirurgia para a colocação do(s) implante(s), sendo necessário um período de aproximadamente 3 a 6 meses para a reabilitação final, de modo a que haja osteointegração (união entre o osso e o implante).

Existem vários tipos de reabilitações sobre implantes, que removíveis, quer fixas.

Prostodontia

Tem como objetivo reabilitar ou manter a função oral do paciente, promovendo uma adequada mastigação, fonética e estética, através de uma reabilitação fixa ou removível:

B1 – Prótese Fixa: através de facetas, coroas, próteses parciais fixas sobre dentes ou implantes.

B2 – Prótese Removível: através de próteses acrílicas ou esqueléticas.

 

ORTODONTIA.png

Ortodontia

É a especialidade de Medicina Dentária responsável pelo diagnóstico, prevenção e correção de malposições dentárias e malformações esqueléticas, promovendo uma adequada estética dentária e facial.

Para a correcção destes problemas, o Médico Dentista especialista em ortodontia pode recorrer a aparelhos fixos, aparelhos removíveis, expansores e aparelhos extra-orais.

Quando existem desarmonias ósseas severas em adultos, pode ser necessário recorrer à combinação entre ortodontia e cirurgia ortognática.

Periodontologia

A periodontologia é a especialidade da Medicina Dentária responsável pela prevenção, diagnóstico e tratamento das estruturas que suportam os dentes: gengiva e osso.

A gengivite tem como principais sinais a alteração da cor da gengiva, que passa de cor-de-rosa a vermelho mais escuro, manifestando inchaço e a tendência para o sangramento.

Em casos mais avançados e não controlados, surge a periodontite, na qual o osso começa a ficar também inflamado, levando a que os dentes ganhem mobilidade.

O diagnóstico deve ser o mais precoce possível, uma vez que esta patologia é de origem bacteriana e pode estar relacionada com problemas de saúde geral (diabetes, doenças cardíacas e respiratórias).

Há casos em que, apesar dos tecidos gengivais se apresentarem saudáveis, o Médico Dentista especialista em periodontologia terá de fazer uma pequena intervenção cirúrgica por exemplo para corrigir defeitos como recessões gengivais ou realizar alongamentos coronários.

Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial

A articulação temporomandibular (ATM) é a articulação mais complexa do corpo humano. Une a mandíbula ao crâneo, sendo responsável por todos os movimentos da mandíbula.

A disfunção temporo-mandibular refere-se a problemas que afetam a ATM e aos músculos da cabeça e pescoço, repercutindo-se em vários sinais e sintomas, tais como:

·      Dor na face

·      Dor na região dos ouvidos

·      Cefaleias de tensão / enxaquecas

·      Limitação dos movimentos de abertura ou fecho da mandíbula

·      Sons articulares (na abertura ou fecho pode ouvir um “click”)

·      Bruxismo (desgaste dentário, com consequente dor e tensão muscular)

·      Recessões gengivais generalizadas

·      Sensibilidade dentária generalizada

·      Fraturas dentárias ou de restaurações constantes

 

O tratamento destas patologias requer uma análise cuidada, muitas vezes com uma equipa multidisciplinar (Médico Dentista, Fisioterapeuta, Cirurgião Maxilo-Facial, Psicólogo, Otorrino, Neurologista, entre outros).

CIRURGIA-ORAL.png

Cirurgia Oral

Esta especialidade médica é responsável por todas as intervenções cirúrgicas relacionadas com as extrações de dentes inviáveis de manter na cavidade oral, particularmente, dentes não restauráveis por terem lesões de cárie muito extensas, casos de perda de suporte ósseo ou dentes inclusos.

O que é um dente incluso?

É um dente que não consegue erupcionar (nascer) na cavidade oral que, caso não seja removido, pode trazer alguns problemas como a formação de quistos, pericoronarite (inflamação da mucosa) ou alterações da sensibilidade (parestesias provocadas pela proximidade do siso com o nervo).

Dentisteria

É a área que restaura a função e forma original de um dente cariado, com a remoção da área afetada e preenchimento dessa cavidade com material restaurador.

A cárie dentária é uma doença oral que pode surgir por diversos fatores: alimentação rica em açucares, presença de placa bacteriana, alterações do pH da saliva e características dos próprios dentes. As bactérias da placa bacteriana produzem ácidos que destroem o dente, começando por afetar o esmalte, de seguida a dentina e depois a polpa dentária. A melhor forma de detetar e tratar as cáries é através de visitas regulares ao Dentista/Higienista.

Há situações em que se pode alterar a forma original do dente, sem que este esteja cariado, de modo a melhorar a estética dentária. Por exemplo, quando se pretende encerrar diastemas (espaço aumentado entre dentes)

endo.png

Endodontia

Quando o dente apresenta uma lesão de cárie que afeta a polpa dentária, ou quando ocorre um desgaste ou trauma severo, é necessário realizar o tratamento endodôntico do dente (desvitalização). Neste tratamento é removida a polpa dentária, desinfetando e preenchendo todos os canais radiculares.

pediatria.png

Odontopediatria

É a área da Medicina Dentária responsável pelo acompanhamento da saúde oral infantil.

A primeira consulta deve ser realizada quando ocorre a erupção dos primeiros dentes temporários (dentes «de leite») ou até 6 meses após a erupção destes.

Deve haver um acompanhamento desde os primeiros anos de modo a que haja uma dentição saudável, aliando a estética e a função. Nestas consultas, recorre-se a prevenção de lesões de cárie com a colocação de selantes de fissura ou ao tratamento de cáries.

HIGIENE-ORAL.png

Higiene Oral

Nestas consultas é realizada uma destartarização bimaxilar, seguida de polimento e aplicação tópica de flúor.

No decorrer da consulta são ensinadas as técnicas de higiene oral adequadas a cada paciente, de modo a que o paciente mantenha a boa saúde oral.

Para ter uma boca saudável é necessário escovar os dentes pelo menos 2 vezes por dia, acompanhado da utilização de fio dentário, bem como ter uma alimentação saudável, baixa em açucares ou hidratos de carbono.